SOBRE O BLOG

Miscelânea intuitiva de gostos, sonhos, desejos, angústias, paixões e destemperamentos, e,porque não, de ódios, raivas e estresses... Miscelânea é assim: TEM DE TUDO!

Meu Diário de Bordo da solidão, meu painel de idéias e guia de entendimento, tudo misturado com humor, drama, terror, anti-corintianismo, sentimentos e doses homeopáticas de papo sério.

Chega junto, arruma um banquinho, senta aí e vem comigo!

Páginas

quarta-feira, 9 de junho de 2010

ÍDOLOS, FÃS E COISAS AFINS...

Recebi, ontem ou anteontem, um e-mail que me deixou cabreiro. Nele, nenhuma crítica ou ameaça, nenhum vírus ou propaganda de sexo-virtual, apenas elogios e sinais de amizade, além de uma demonstração de apreço pelo que eu escrevo e publico vez ou outra...

A pessoa simplesmente disse ser “minha fã”. Disse que, em breve, eu teria um fã clube e que muitas pessoas me liam e adoravam o que eu escrevia. Disse que ela precisava de mim, assim como outras pessoas!

Estranho isso. Saber-se lido, talvez julgado a cada texto, é algo assustador. Saber-se “precisado”, então, nem se fala!

Saber-se ídolo de alguém, é algo horripilante..




Há pessoas que buscam isso a vida toda e quando encontram, piram! Caem nas drogas, no sexo, no rock'n'roll... Estou quase lá! Logo, logo, estarei torcendo pra seleção brasileira...

Mas, claro que é legal saber-se admirado, mas agora que sei que me admiram, estou com medo de fracassar! Deixei para traz a pessoa comum que eu era e passei a ser alguém que tem fãs!

Tenho de pensar em minhas atitudes, olhar para os dois lados quando atravesso uma rua, pois não posso morrer tão bestamente assim, atropelado em uma rua qualquer, por uma Kombi velha, pois agora sou alguém notório e tenho fãs... Também devo pensar melhor sobre o que escrevo, para não decepcionar ninguém que chegue a olhar um texto meu e diga:

-Sou fã dele... 

A responsabilidade aumenta, e a vontade de não errar, também... Sinto-me como os Beatles, depois de escreverem “Yesterday”, ou como Niemayer após projetar Brasília, ou como Neil Armstrong após pisar na lua. O que fazer depois disso?

Claro que estou bem longe da unanimidade, que, aliás, nem a quero, pois toda a unanimidade é burra, como já dizia Nelson Rodrigues, aliás, de quem sou fã...

Meu medo é, se um dia eu chegar ao meu máximo (e quem leu 400 RÉIS, disse que já cheguei...), não conseguir superá-lo e desapontar os que gostam de mim, e acredito que esse medo exista em todos os profissionais que apareçam na mídia, em todos os que possuem fãs, em todos que galgam alguns degraus na sociedade. Chegando lá, pra onde vou?

Particularmente, tenho poucos ídolos, e isso faz com que as chances de decepcionar-me sejam pequenas. Outra curiosidade é que entre eles somente dois ou três estão vivos, tornando as chances de decepcionar-me ainda menores, a menos que descubram que Napoleão era um medroso ou Carl Sagan não entendia nada de ciência e era um burro, o que acho impossível...

E quando penso nos meus ídolos, sempre penso no motivo de idolatrar uma pessoa especial no meio de tantas que também o são... Ainda é inexplicável a química que nos faz admirar alguém, a ponto de sermos fãs dessa pessoa, incondicionalmente. É algo que acontece nos grotões da mente, em áreas ainda deixadas de lado pela ciência devido à sua complexidade, e das quais, talvez, nunca saberemos nada.

O estranho é que não escolhemos nossos ídolos, por mais que tentemos ouvir aquele disco do Pink Floyd que todos dizem que é genial e você só vê como um som que não anda nunca e não sai do lugar, ou que tentemos ler aquele livro que “será um clássico imortal” e, antes do final, temos vontade de, usando nossa própria mortalidade, morrer.

Graças a isso, todos possuem seu espaço, do Tiririca à Madonna, dos Rolling Stones ao Katinguelê, de Paulo Coelho a Celso Aímola (adorei esse último!). Existe, inclusive, por mais inconcebível que isso pareça, até fãs do Djavan... e olha que ele tem um cabelo feio de doer!

O mais interessante de ser fã é que não temos vergonha de nossa tietagem, por pior que seja o cantor ou escritor... Provavelmente, alguns vão defender o Djavan depois que me lerem. Provavelmente alguns vão tentar me matar na porta de casa depois que me lerem, pois ser fã de alguém é isso, é defender seu ídolo, é vestir a camisa e dizer com orgulho:

-Sou fã, fã, fã do Djavan!- sem levar em conta a vergonha que tal fato pode nos trazer em nosso meio social e sem pensar nos cabelos horríveis dele.

Eu também tenho os meus ídolos capengas, do tipo que sempre haverá aqueles que odeiam. Fernando Henrique Cardoso e Antônio Carlos Magalhães são meus máximos exemplos, mas eu tenho meus motivos lógicos para gostar deles. Fora eles, os outros são ídolos “químicos”, que não escolhi, mas que me atraíram para suas obras, como um gigante magneto atraindo ridículas moedas de cinco centavos de uma mesa.

Adoro Nelson Rodrigues, apesar de muitos (tem gente que nunca o leu!) o chamarem de tarado. Ele é o meu exemplo de escritor, aquele que escreve o que acha que deve escrever, e se gostarem, parabéns, se não gostarem, que burros são vocês...

Comi muito na horta de Machado de Assis, ainda na escola, quando TODOS em minha classe diziam que o livro era uma droga e eu havia devorado-o por duas ou três vezes, como em O Alienista, que amei. Também gosto de Assis Chateaubriand, mas duvido que alguém tenha lido um de seus livros...

Os meus ídolos são pessoas que me fazem pensar melhor, inspirar-me para isso ou aquilo, sorrir ao ler ou reler um texto ou ouvir uma música pela milésima vez e sentir o mesmo barato que temos no corpo, como o arrepio que sinto quando ouço Le it Be... E é isso que me dá calafrios quando descubro que tenho fãs...

Será que já tentaram ler meus textos por dez vezes seguidas? Será que gostarão do que leram daqui dez anos?

Em todo caso, obrigado por sua admiração. Prometo fazer de tudo para não quebrar a confiança de quem lê algo que eu escrevi e diz, com orgulho:

-Sou fã, fã, fã de Celso Aímola...- mesmo sem ser a minha mãe!

É uma honra ter, torcendo por mim, pessoas tão inteligentes, sensíveis, espertas e de gosto tão apurado quanto o de vocês...

7 comentários:

Flávia disse...

É, parece que vc não mudou nada...sempre modesto!!!
Cuidado com os paparazzi, ok?
Bjs

Thalita Thais S.A. disse...

Também sou sua fã!!! hehehehe =]

Jeany disse...

Ahahahaha...pensei a mesma coisa!

Uma enorme modestidade que emana do Sr. Logan....

Logan...Logan...Logan...preciso falar mais? Rs!

Michele P. disse...

Ele é tão modesto que me sinto na obrigação de homenageá-lo.
O mundo precisa conhecê-lo.
rs

Bjs

Yeruska Thobila disse...

Nossa! Apareci por aqui por curiosidade, após vc ter dado uma visitadinha bacanerríma no meu Blog..E, meu Deus, que surpresa gostosa, encontrar com textos tão interessantes, divertidos e cheios de verdades...^^
Adorei!
Já vou segui-lo... aí..cuidado hein...seus fãs estão a ase multiplicar. Risos...

ROBERTA disse...

Você sabe que só apareço aqui quando o assunto é sério, e esse assunto é sério...rs Nossa, pior é que o negócio aqui está melhorando mesmo...rs
TEM DE TOMAR CUIDADO CONOSCO, AFINAL SOMOS SEUS FÃS, VIU?

Beijos

Roberta

KELLY disse...

VC que fique famoso e esqueça nós, que estamos aqui embaixo, viu!

Serei a presidenta do fã-clube, afinal, estou aqui há muuuuuito tempo...rs

Beijinhos