SOBRE O BLOG

Miscelânea intuitiva de gostos, sonhos, desejos, angústias, paixões e destemperamentos, e,porque não, de ódios, raivas e estresses... Miscelânea é assim: TEM DE TUDO!

Meu Diário de Bordo da solidão, meu painel de idéias e guia de entendimento, tudo misturado com humor, drama, terror, anti-corintianismo, sentimentos e doses homeopáticas de papo sério.

Chega junto, arruma um banquinho, senta aí e vem comigo!

Páginas

terça-feira, 13 de abril de 2010

NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA

Como escritor que tento ser (alguns dizem que sou, outros que tento ser e, alguns, que devia largar tudo e ir carpir café), o meu instrumento de trabalho é a grandiosa e bela língua portuguesa. Ela é o meu tijolo, meu cimento, meus vergalhões. Eu somente construo o texto com os materiais que tenho nas mãos, e,  convenhamos, tenho muito material...
Enquanto estava na escola, já gostava de lidar com as palavras no jornal-mural da classe. O meu chamava “Diário Planeta”, mas era escrito somente uma vez por mês. Até hoje, não entendo como não saquei isso, nem o porque mantive “diário” em algo “mensal”. “Diário Mensal” continuaria esquisito por utópico demais, mas “Planeta Mensal” deixaria em minhas costas o fardo do nome, de precisar descrever, em uma simples lousa de 8ª série, o que acontece no mundo durante um mês. Mantive “Diário”, mesmo...
Apesar de alguns percalços, sempre gostei de brincar com as palavras e senti-me ofendido quando li um trabalho sobre Guimarães Rosa, que dizia que ele gostava de “inventar palavras”:

-Esse cara é um analfabeto de pai e mãe! Onde já se viu precisar inventar palavras tendo uma língua tão completa como a nossa? 


Mais uma vez ( eita, sina!) cuspi para cima e caiu na testa: “Descapetização” que tive que usar no Teatro do Destino (para quem não sabe, meu primeiro livro), faz parte dessa safra. Acreditei que seria mais óbvia, no objetivo final, do que se utilizasse “exorcismo”. “Exorcismo” é um negocio sério, feito pela Igreja com “i” maiúsculo, enquanto que “descapetização” é algo feito nas 448.147 igrejas de vila, daquelas onde os pastores gritam, em alto e bom som, o seu bordão:

Sai Capeta, deixa esse corpo que não te pertence...- enquanto sacodem a cabeça e berram no ouvido do pobre encapetado, que diz que o diabo saiu porque quer paz e sossego...

Eito e aproveito o ensejo para deixar aberto o meu repúdio pelas palavras “porque”, “porquê”, “por que” e “por quê”. Nunca acerto o uso correto e acredito realmente que elas somente existam para que tenhamos que comprar as malditas gramáticas, pois sem elas, babau, errou... Para não dizerem que sou radical, tipo Enéias, concordo com dois porquês: o “porque” junto, que devia valer para quase tudo, e o “por quê” com chapeuzinho, vulgo circunflexo, que vale para perguntas mexicanas, que uso muito, do tipo:

-Por quê? Por quê? Por que não me contaste que João Antônio era filho adotivo de Carlos Laurindo? Porquê deixou-me descobrir isso pesquisando na Internet, em páginas de zoofilia com avestruzes? Por quê? Por quê? Por quê????? 

Mesmo com todos esses problemas diários e cotidianos, e diário é cotidiano, ainda assim acho difícil vermos algo mais puro e belo que um bom texto escrito na língua de Camões (e “porque” não dizer, na língua de Celso Aímola?). Não que eu ache que posso chegar perto do dedinho mindinho esquerdo do pé manco de Camões, mas como falo em português e escrevo em português, essa língua é tão minha quanto dele...

E por falar nisso...

Já havia acabado, terminado, esgotado, definido, encerrado, dado termo, arrematado, findado, concluído e finalizado o texto ( meu vocabulário é vastíssimo!), quando citei-me e lembrei do que me faz achar a língua portuguesa maravilhosa e bela, sempre.

Diz o Houaiss (não inventei, está no Houaiss!):
Celso: adjetivo 

Uso: formal; dotado de grande altura; alto, elevado. Derivação: sentido figurado; de qualidades elevadas, notáveis; sublime, excelso. 

Excelso: adjetivo.

1) que é sublime, eminente, elevado.

2) que se distingue por seu brilhantismo, por qualidades dignas de louvor; ilustre, egrégio.

3) que é admirável, excelente

Curioso e matreiro como eu mesmo, procurei no maravilhoso dicionário alguns sinônimos para me definir: “altaneiro, alto, augusto, belo, digno, eminente, esplêndido, estimado, excelente, excelso, extremado, extremo, generoso, heróico, insigne, magnífico, nobre, pindérico, soberbo, sobreeminente, sobreexcelente, subido, sublime, sumo, supereminente, superior, supino, transcendente...” Ai, que dor no ego... Faltou “perfeito”, mas desconsideremos...

Difícil dormir sabendo de tudo isso... Nem minha mãe vai me agüentar essa semana... Como é linda a língua portuguesa.. .
          

2 comentários:

Flávia disse...

Esqueceu da sua qualidade que mais admiro...a MODÉSTIA...

Amei o texto, pra variar, tá a sua cara...

BEIJOS

Michele P. disse...

Seu energúmeno,(esta aprendi na 5a série e adorei, desde então...kkkk), satírico (que aliás, eu desconfio que vem de Satánas....rsrs) e dissimulado amigo da onça!
Como pôde ter a cara de pau de alfinetar-me abertamente, sem pudores e nem uma pitada de misericórdia?!

1o. Todo mundo sabe que amo a língua portuguesa.
2o. Qualquer um que lê meu blog percebe que tenho o hábito de colocar definições (coloco pq acho q tem palavras que por si só não dizem o que deveriam dizer!)
3o. Uso e abuso de sinÔnimos e acho o máximo! kkkkkk

Estou com uma vontade louca de te matar... matar... (ma-tar) v.t.
Tirar violentamente a vida, assassinar, destruir, exterminar, extinguir! risos

E que dor de barriga de tanto rir!

kkkkkkkkkkkkkkk

Te espero na saída da escola, seu nojento!rs

Bjs